quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

É sempre amor, mesmo que mude


Um dia quando acordou, ela percebeu quase num susto que o amor não era mais o mesmo. Foi um misto de alívio e surpresa o que sentiu. Talvez o sofrimento daqueles dias tenha feito com que seu sentimento mudasse. Gostava dele, queria tê-lo por perto, compartilhar momentos, ter a certeza de que ele estava bem. Mas não sonhava mais com um futuro ao lado dele, não queria mais seu corpo com a sofreguidão de sempre, não pensava nele a todo instante, não sentia mais ciúmes... Já conseguia respirar o ar que faltava quando ele estava ausente. Queria cuidar melhor de si mesma, sentiu necessidade de solidão.
E naquele momento ela se dava conta que durante muito tempo esqueceu de si mesma pelo amor desvairado que nutria. A cada mentira dele e a cada decepção, seu coração perdia um pedacinho sagrado desse amor, até que só restou o perdão e... um imenso carinho. Sim. 
Amor quando é de verdade nunca morre, ele se transforma em algo mais sólido e mais fácil de controlar e ela estava descobrindo isso só agora. Um sentimento novo e que não causava dor. 
Mas eles tinham uma ligação que jamais seria desfeita, ela sentia... eles sabiam...

Nenhum comentário:

Postar um comentário